Buscar

Análise de sonhos na abordagem Junguiana

De acordo com a Profª Drª Alessandra Jantorno e coordenadora da Pós-Graduação em Psicologia Junguiana, os sonhos são, para Carl Gustav Jung, representações simbólicas da situação consciente do sonhador e podem passar despercebidos à consciência. Os estudos dos sonhos se justificam pela existência do inconsciente pessoal e coletivo, por serem estes reveladores e simbólicos. Ou seja, é a porta de entrada para o inconsciente pessoal e coletivo. Nele muitos elementos esquecidos pela memória aparecem por mensagens, mensagens recorrentes e até mesmo imagens premonitórias de atos do sonhador.


A temática sobre os sonhos foi que ocasionou o encontro e o desencontro entre Jung e Freud. O encontro entre eles se deu através da leitura de “A interpretação dos sonhos” de Freud, proporcionando a Jung “conhecer” Freud. Foi ali que Jung encontrou uma teoria que ecoou em suas pesquisas e causavam nele um imenso fascínio.


Em 1909, voltando de uma viagem que havia feito juntamente com Freud para os EUA, Jung sonhou com uma casa de três andares e apresentou o sonho a Freud, este interpretou o sonho de maneira reducionista, deixando-o insatisfeito e levando-o a aprofundar seus estudos sobre o assunto.


Jung começa a dedicar a essa temática no volume VIII com dois grandes artigos sobre o tema “Aspectos gerais da psicologia do sonho” e “Da essência dos sonhos”. São nesses dois artigos que Jung começa a colocar sua perspectiva e mutuamente, vai distinguindo-a da perspectiva psicanalítica, além de nos apontar a importância de ficarmos atentos aos sonhos, pois esses possuem um “significado intrínseco próprio” que, em última análise, falam daquilo que está inconsciente para nós.


Jung propõe que, se o sonho é um produto psíquico como outro qualquer, então não há porque supormos que sua natureza e finalidade são diferentes dos outros conteúdos da psique. A partir disto, o psicanalista infere que devemos tratar os sonhos analiticamente “como qualquer outro produto psíquico”.


A crítica de Jung à interpretação causal é feita por meio da ideia de que ela somente levará em conta os conteúdos psíquicos que a antecederam, ou seja, tudo aquilo que aparece em um sonho, por exemplo, em algum momento já passou pela consciência. A perspectiva causalista reduzirá os conteúdos psicológicos aos seus antecedentes e contenta-se com eles. Para iustrar, ele exemplifica utilizando a figura de rapaz que vai por uma rua e, de repente vê uma criança que brinca à sua frente ser atropelada por um automóvel. A análise causal irá dizer que a rua é reconhecida como sendo uma rua em que passou na véspera do sonho, a criança é identificada como o filho do irmão que ele vira ao visitar no dia anterior e o acidente lembra-lhe um acidente descrito nos jornais em dias anteriores. Jung aqui lança mão da especificidade da imagem para criticar tal redutivismo:


O sonhador percorreu muitas ruas na véspera, e por que motivo seu sonho escolheu justamente esta rua? Leu notícias a respeito de numerosos acidentes, e por que motivo escolheu este, de preferência a outros?


Interessante, não é? Saiba que o Instituto Fênix é considerado a casa de Jung no ES. Se você tem interesse sobre esse assunto, é possível se aprofundar nestes estudos, afinal de contas, se ficássemos escrevendo tudo sobre os sonhos de acordo com a perspectiva junguiana, escreveríamos um livro. Então, que tal se qualificar e conhecer um pouco mais sobre os sonhos? O Instituto Fênix oferta o curso de Pós-Graduação em Psicologia Junguiana e o curso livre “Para Entender os Sonhos”, disponível no link https://www.institutofenix.com.br/cursosead. Aproveite o momento para se especializar, garantir conhecimento e uma melhor posição no mercado de trabalho.


Curtiu a postagem? Ajude-nos a criar nosso conteúdo, dando dicas de assuntos que você quer ver por aqui pelo e-mail: contato@institutofenix.com ou pelo número 27 98856-3044. Link do whatsapp: https://api.whatsapp.com/send?1=pt_BR&phone=5527988563044&text=Sugest%C3%A3o%20de%20pauta%20para%20o%20Blog